domingo, 24 de janeiro de 2010

Perda de Conexão e os Processos Estourados

Perdoem-me pela minha ausência, aqui e nos outros blogs, mas estou de férias, na praia, deitado em uma rede e preocupado se dou mais um mergulho na piscina do privê ou se vou a praia, dar um mergulho no mar. Como estarei ainda aqui até o final da próxima semana, terei tempo de decidir.
De qualquer modo vamos tratar hoje de um problema que tive na minha última semana de trabalho antes de sair de férias. Os desenvolvedores vinham queixando-se de uma constante perda de conexão com o banco quando executavam uma determinada aplicação. O primeiro lugar que você deve procurar em qualquer problema relacionado ao banco de dados é o arquivo de log. E lá estava o problema:

Mon Jan 11 13:06:45 2010
Process m000 died, see its trace file

Como o log mandou, fui olhar o arquivo de trace correspondente (procurei pela data e hora). Batata:

ORA-00020: maximum number of processes exceeded

Constatei que realmente o parâmetro PROCESSES do Oracle estava abaixo do que normalmente usamos na empresa:
SHOW PARAMETER PROCESSES
> 50
A solução para esse tipo de problema é bem simples. Logado como SYS ou SYSTEM execute o comando:
> alter system set processes=150 scope=spfile;

Shazzan... problema resolvido.
Bem, espero retornar em breve, pois apesar de tudo sinto falta de escrever e de meus (poucos) leitores... Abraços!

x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x

Forgive me for the long time without writing, here and in another blogs, but I'm on vocations, at beach, laid down on a chair worried about if I go again to the pool or if I go to dive at the sea. As I'll be here until the end of the next week, I'll have some time to decide.
Anyway, anyway, I'll talk about a little problem that I had on the last work week before I gone on vocations. Developers were been complaining about a constant connection broken with the database while executing an application. The first place where you must look in, when you have any database problem, is the log file. And there was the problem:

Mon Jan 11 13:06:45 2010
Process m000 died, see its trace file

And as the log told me, I searched the second place: the trace file (look for the file with the date and time near to the log entry). And so there it was:

ORA-00020: maximum number of processes exceeded

The processes parameter was really low, under the default which we use to configure at the company:
SHOW PARAMETER PROCESSES
> 50
The solution to this problem is really simple. As SYS or SYSTEM you just have to execute the command line:
> alter system set processes=150 scope=spfile;

Shazzan... problem solved.
Well, that's it. I really hope to come back soon, because after all I miss to write and I miss my (few) readers... Hugs!

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Ritual dos Quatro Elementos

Esse ritual deve ser praticado em um local aberto, tipo uma clareira, um parque ou um jardim. O importante é que haja muitos vegetais (não, não podem ser os repolhos que você compra no mercado) e que seja um dia ensolarado. A primeira coisa a fazer é tornar-se parte do contexto. Sentir a grama, as plantas, escutar os sons da natureza até sentir-se relaxado.
Agora que você está em paz, com um cetro ou cajado trace um círculo de proteção. Sente-se no chão, dentro do círculo e chame os quatro elementos sete vezes: "Terra! Ar! Fogo! Água!". Mesmo que o Capitão Planeta não apareça você deverá sentir a força dos elementos se manifestar. Então está na hora de preparar o altar:
- Atame
- Cálice
- Sino
- Garrafa com Vinho
- Vela Verde
- Vela Amarela
- Vela Azul
- Vela Vermelha (Pensou que era a branca, né?)
- Óleo de patchouli
- Óleo de Alfazema
- Óleo de Camomila
- Óleo de Rosa
O atame a direita, o cálice a esquerda, o sino ao norte e a garrafa de vinho ao sul. Unte a vela verde com óleo de patchouli. Acenda-a e coloque a oeste do altar, próximo ao centro. Crave o atame na terra repetindo os seguintes versos:
"Grande Mãe, Senhora da Terra;
Abra os caminhos da minha mente
Para o equilíbrio dos ciclos anuais;
Abra os caminhos do meu corpo
Para o instinto dos animais selvagens;
Abra os caminhos do meu cotidiano
Para as riquezas dos mundos subterrâneos."
Unte a vela amarela com o óleo de alfazema, acenda-a e coloque ao norte do altar, próximo ao centro. Toque o sino quatro vezes e repita:
"Grande Mãe, aquela que canta com os ventos;
Em teu sopro traga a sabedoria
Para que penetre por todos os meus poros
E se expanda em forma de luz e energia".
Unte a vela vermelha com óleo de camomila. Acenda-a e derrame três gotas de cera derretida no chão. Coloque a leste do altar próxima ao centro. Repita o seguinte encantamento:
"Grande Mãe, eis o poder do teu calor;
O fogo que queima minhas amarguras;
O fogo que se torna minha vitalidade;
O fogo que ilumina meu interior.
Para seguir o teu caminho de luz".
Unte a vela azul com o óleo de rosa. Acenda-a e coloque ao sul do altar, próximo ao centro. Encha o cálice com o vinho. Ele simboliza a Deusa. Deixe que a luz do Sol reflita no líquido repetindo os seguintes versos:
"No momento em que os raios do Sol se refletem nesse cálice, nossos deuses se unificam, tornando-se uma energia onipresente e onipotente. E é deste líquido que provarei essa força, para que a luz da Deusa e do Deus habite em meu interior, em forma de um ágape cósmico e profundo."
Faça um brinde com o cálice dizendo:
"Eu bebo com os deuses e com os espíritos aqui presentes, e peço (... faça um pedido especial), e que isso funcione de uma forma correta e imprejudicial."
Beba o cálice e encerre o ritual dizendo:
"Que assim seja!"
Retire o atame da terra. Apague as velas (sem soprá-las) e feche o círculo de proteção.




This ritual must be practiced at a outdoor place, like a clearing, a park or a garden. The important thing is that there be many vegetables (but not the cabbage that you bought at the market!) and must be a sunny day. The first thing to do is being a part of the context. Feel the grass, the plants, listen the nature sounds until you feel relaxed.
Now that you're feeling peace, using a rod or a staff do a protection circle. Sit down inside it and call the four elements seven times:
"Earth! Air! Fire! Water!". Even if the Captain Planet And The Planeteers don't come you might feel the power of the elements manifesting. So is time to prepare the altar:
- Dagger
- Chalice
- Bell
- Bottle of Wine
- Green Candle
- Yellow Candle
- Blue Candle
- Red Candle (Confess, you thought that would come the white candle now)
- Patchouli Oil
- Lavender Oil
- Chamomile Oil
- Rose Oil
The dagger placed right, the chalice left, the bell to the north and the bottle of wine to the south. Anoint the green candle with the patchouli oil. Light it and place at western on the altar, near to center. Rivet the dagger on the earth, and pray:
"Great Mother, Lady of Earth;
Open the paths of my mind
To the equilibrium of the annual cycles;
Open the paths of my body
To the salvage animals instincts;
Open the path of my days
To the riches of the subterranean worlds."
Rivet the yellow candle with the lavender oil, light it and place on the north of the altar, near to center. Ring the bell four times and pray:
"Great Mother, she that sings with the winds;
I your blow bring me the sapience
To penetrate into all my pores
And expand itself into light and energy."
Rivet the red candle with the camomile oil. Light it and drew three drops of wax on the floor. Place it at east of the altar, near to center. Pray the follow enchantment:
"Great Mother, here's the power of your heat;
The fire that burns my bitterness;
The fire that becomes my vitality;
The fire which illuminates me inside.
To follow your path of light."
Rivet the blue candle with the rose oil. Light it and place at south, near to center. Fill in the chalice with the wine. It symbolizes the Goddess. Let the sun light reflect the liquid, praying the verses:
"At the moment when the sun rays reflect into this chalice, our gods get unified, becoming one unique energy omnipresent and omnipotent. And is from this liquid that I'll taste this power, to that the God and Goddess light habitats inside me, on a form of a cosmic and deep love feast."
Do a toast with the chalice praying:
"I drink together with the gods and spirits, here present, and ask (... do a special wish), and that this works into a correct and no harm way."
Drink the chalice and end the ritual saying:
"So there it is!"
Take off the dagger from the earth. Turn off the candles (don't blow) and close the protection circle.

domingo, 17 de janeiro de 2010

Altar...

Houve um tempo em que tive uma forte inclinação a prática de magia. Talvez tivesse lido muito Paulo Coelho. Cheguei a comprar inclusive alguns livros e utensílios, fazer alguns pequenos e simples feitiços. Claro, não deram resultados, ou se deram, não tomei conhecimento, pois não se faz um feitiço sem uma devida preparação ou simplesmente lendo de um livro ou página da internet.
Desisti de seguir esse caminho por vários motivos, mas mantive algo até hoje: o altar. Os altares eram e são normalmente construídos em pedra, mármore, etc. São grandes, cheios de paranguláias e bem adornados. Antigamente usados para sacrifícios, ainda hoje são usados nas celebrações de missas e cultos.
Basicamente um altar não precisa ser uma estrutura de pedra ou mármore. O altar pode ser um criado mudo ou uma pequena mesa, coberto com uma toalha branca ou preta. O altar não deve ser utilizado para nenhum outro fim senão como sua fonte de energia, proteção e oração. O altar deve ser montado para o Norte. Poderá ser usado outro ponto cardeal, desde que tenha um significado especial para você.
No altar podem ser colocados os objetos que são utilizados na prática dos feitiços, porém algumas pessoas deixam apenas uma vela e o castiçal, escondendo o resto do material. Herança da época da Inquisição onde bruxos eram revistados e perseguidos.
No ponto oeste deve-se colocar um pentáculo, simbolizando o elemento terra. Ao norte um incensário com incenso simbolizando o ar. Ao sul um cálice com água simbolizando a água. Um castiçal com vela ao leste, simbolizando o fogo e por fim, no centro, um caldeirão simbolizando o Éter (espírito).
Para fazer a consagração do altar encha o cálice com vinho, acenda a vela e o incenso. O caldeirão deve estar cheio de água salgada. Trace um círculo de proteção e recite:
"Esse é o momento de iniciar a consagração do meu altar,
Porque esta é a hora da magia se manifestar.
Pelos poderes dos quatro elementos,
Com esse feitiço os objetos vão se encantar.
Consagro-te pentáculo mágico,
Com o seu símbolo envolvido pela energia da Terra. (Jogue um pouco de terra sobre o pentagrama)
Consagro-te incensário mágico,
Com o seu incenso consumido pela força do ar.
Consagro-te cálice mágico,
Com o seu líquido embebido pela virtude da água.
Consagro-te castiçal mágico,
Com a sua vela queimada pelo poder do fogo.
Consagro-te caldeirão mágico,
Com seu interior armazenando o vigor do éter.
Consagro-te altar mágico,
Para que emane as energias corretas para o meu caminho.
Que assim seja, que assim se faça!"
Passe a fumaça do incenso e borrife algumas gotas de água salgada do caldeirão por todos os objetos. Beba o conteúdo do cálice e feche o círculo de proteção. Atualmente meu altar possui apenas um castiçal, crucifixo e é o local onde oro.




There was a time when I had a strong will to practice sorcery. Maybe I had read too much Paulo Coelho. I even bought some books and stuffs to make some little and simple enchantments. Sure, there were no results, or if were, I hadn't noticed, because no spell can be done without a properly preparation or knowledge. Can't be done just reading some magic book or in some internet Wicca site.
I gave up following this path for many reasons, but I kept one thing from that time: the altar. They were and are normally built in stone or marble. They're big, full of things and well adorned. On ancient times they were used to sacrifices and are still used in mass and cults celebrations.
Basically an altar doesn't need to be a stone structure. The altar can be a little table or a bedside table, covered with a white or black toil. They can't be used to any other mean, but as a source of energy, protection and pray. It must be placed at the North. You can use another coordinate, since it has some special meaning for you.
There you'll place the objects you'll use on the enchantments, but some people just place there a candle and a candleholder, hiding the rest of the material from the curious eyes. A legacy from the Inquisition time, when the witches were persecuted and investigated.
At the west side you place a pentacle, symbolizing the earth. At north a censer with incense symbolizing the air. At south a chalice with water symbolizing the water. A candleholder with a candle to the east, symbolizing the fire and at least a caldron at the center symbolizing the Ether (spirit).
To the altar consecration fill the chalice with wine, light the candle and the incense. The caldron must be filled with water and salt. Do a protection circle and pray:
"That's the moment to begin the consecration of my altar,
Because that's the time to the magic become manifest.
By the power of the four elements,
With this spell the objects will become enchanted.
I consecrate you, magic pentacle,
With your symbol involved by the energy of the earth. (Throw a little of dust above the pentagram)
I consecrate you magic censer,
With you incense consumed by the force of the air.
I consecrate you magic chalice,
With your liquid drenched by the virtuous of the water.
I consecrate you magic candleholder,
With your candle burned by the power of the fire.
I consecrate you magic caldron,
With your inward holding the ether force.
I consecrate you magic altar,
To you emanate the right energies to my path.
That it be, that it done!"
Pass the incense smoke and throw some salt water drops from the caldron above all the objects. Drink the chalice content and close the protection circle. Nowadays my altar just have a candleholder, a crucifix and it’s the local where I do my prays.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Celibato


, upload feito originalmente por Lina Ghazanfari.

Celibato, do latim cælibatus que significa "não casado". O Cristianismo ensina que o celibato é um estado de honra. Paulo escreveu: "É bom para um homem não ter relações sexuais com uma mulher.". Em Versículos 1-2 lê-se: "Eu desejo que todos sejam como eu sou. Mas cada um tem o seu próprio dom de Deus, um de uma espécie e uma de outro. Para os solteiros e as viúvas digo que é bom para eles permanecer como eu sou. Mas se eles não podem exercer auto-controle, devem casar. Por isso é melhor casar do que queimar com paixão.".
Celibato é mais uma das contradições entre o Novo e o Velho Testamento. Se for bom para o homem não ter relações sexuais com uma mulher, porque Deus cria a mulher em Gênesis? Devia ter criado outro homem, uma vez que seria apenas para lhe fazer companhia. Um brother. E eles jogariam gamão, conversariam sobre futebol e beberiam cerveja. Morreriam de velhice e acabaria a raça humana. Cheio de lógica o que o Apóstolo Paulo escreveu. Alguns historiadores afirmam que a prática foi implementada apenas após o final do primeiro milênio, ou seja, na Idade Média, para evitar que a Igreja perdesse posses em eventuais disputas de herança.
Conheço um ex-seminarista que abandonou o sacerdócio porque não agüentou os assédios e a homossexualidade entre os padres e seminaristas. "Era constantemente assediado pelos padres e sofria perseguição por não deitar-me com eles." - relatou uma vez para mim. Pra que o celibato se o que fazem escondidos dos olhos da sociedade é muito pior? Conheci também um casal - ele ex-padre e ela ex-freira - que se apaixonaram e tiveram que abandonar o sacerdócio para casarem-se. Nem por isso deixaram de pregar e praticar os ensinamentos de Cristo.
Claro, estou sendo um pouco radical, pois existem casos em que o celibato realmente permite que algumas pessoas iluminadas dediquem-se integralmente a vida de Cristo. Mas isso é nativo delas. Não é forçado. Forçar o celibato apenas tem gerado casos que surgem vez por outra na mídia. Pedofilia, homossexualismo e padres que mantém relações com mulheres da paróquia. Talvez muito disso pudesse ser evitado. Talvez a Igreja Católica precise rever alguns conceitos.

∆∆∆∆∆∆∆∆∆∆∆∆∆∆∆∆∆∆∆∆∆∆∆∆∆∆∆

Celibacy, from Latin cælibatus which means "not married". The Christian tradition teaches that the celibacy is a state of honor. Apostle Paul wrote: ""Now concerning the things about which you wrote to me: it is good for a man not to touch a woman.". On verses 1–2 is written: "I wish that all men were like me. However each man has his own gift from God, one of this kind, and another of that kind. But I say to the unmarried and to widows, it is good for them if they remain even as I am. But if they don’t have self-control, let them marry. For it’s better to marry than to burn with passion.".
Celibacy is just one more contradiction between the Old and New Testament. If it's good for man to not touch a woman, why God created her on Genesis? He should have created the man and another man once that was just to company him. A brow to play backgammon, talk about soccer (or baseball) and drink beer. They would die from oldness and than the human race would over. Very logical Paul. Some historians say that the practice of celibacy was implemented only after the first millennium, on the Middle Age, to avoid the church to lose its possessions to heirs.
I knew an ex-seminarian that abandoned his clergy life because couldn't handle with the sexual harassment and homosexuality among priests and seminarians. "I was constantly harassment by the priests, being persecuted for not lay down with them." - told me him, once. Why do the celibacy if what they hide from the society eyes is even worst? I also knew a couple - he an ex-priest and she an ex-nun - that followed in love and had to abandon the clergy life to marry. And not because of this they let to practice and preach the Jesus teaching.
Sure, I'm being a little radical, because there are cases where the celibacy really let some illuminated people to dedicate their selves, full time, to the Jesus life. But this is natural of them. It isn't a forced thing. To force the celibacy had only been generating cases that we see sometimes at the news. Pedophiles, homosexuals and priests that keep affairs with the women from his parish. Maybe a lot of this could be avoided. Maybe the Catholic Church should review its concepts

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

No Píer...


, upload feito originalmente por 'GHAZALEH GHAZANFARI'.

Passei o dia hoje no píer, pensando... Pensando se vale ou não à pena ir para Angola, ganhar quatro vezes mais, porém ver minha família apenas de 3 em 3 meses, por duas semanas. Pensando nas prestações que estão por vir do apartamento. Pensando em como mobiliar o apartamento. Pensando nas certificações que devo tirar e se devo fazer um concurso. Pensando no tempo. Como ele sempre caminha, sem esperar por nada... E que precisamos acompanhá-lo.
Enquanto pensava observava uma criança brincando no píer. Despreocupada... Livre... Feliz... As gaivotas nadando pelo céu azul. A água calma... tranqüila... aquecida pelo sol que refletia em sua superfície. Pequenos barcos no horizonte. Paz... Tão difícil e tão fácil de ser encontrada.
Mas o píer é isso... A brisa do mar, o riso da criança, o canto das gaivotas. Apenas alguns momentos para ver que podemos encontrar essa paz em coisas tão simples. E mesmo depois que a pequena criança havia partido seu riso sereno ainda permanecia comigo. Fazendo-me companhia junto às gaivotas e os pequenos barcos no horizonte.

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

I spent my day at a pier, thinking... Thinking if worth or not to go work in Angola, get a salary that is four times bigger than mine now, but just see my family in intervals of three and three months, for two weeks. Thinking about the installments that still have to pay of my apartment. Thinking into how I'll furnish my apartment. Thinking about the certifications which I have to take and if I must or not try a public contest exam. Thinking about the time. How it keeps walking, waiting for no nothing... And that we must follow it.
While I was thinking a children was playing on the pier. Unworried... Free... Happy... The seagulls swimming through the blue sky. The calm water... tranquilly... warmed by the sun reflecting on its surface. Little boats at the horizon. Peace... So hard and so easy to find.
But this is a pier... The sea breeze, the children laugh, the seagulls sing. Just few moments to notice that we can find the peace into so simple things. And even after the little children had gone, her serene laugh still remained with me. Doing me company together with the seagulls and the little boats on the horizon.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Inicializando bancos automáticamente

Esse fim de semana tivemos uma queda de energia e o tempo foi maior do que os NoBreakes puderam suportar. Consequencia: nossos servidores foram desligados. Mas o melhor foi que semana passada desligamos a inicialização automática dos bancos para fazer um teste de performance e uso de memória. Ou seja, tive que conectar-me ao servidor no Sábado afim de colocar as principais bases no ar.

Normalmente, no LINUX, os scripts de inicialização de banco ficam dentro do diretório /etc/rc.d/init.d . Lá você poderá encontrar arquivos como dbifx ou dbora, que geralmente contém os scripts de inicialização dos bancos que vocÊ deseja que sejam iniciados automáticamente quando o servidor é ligado. Os arquivos e locais podem variar dependendo da versão do Linux (ou S.O.), mas manteremos o escopo dentro desse padrão. Procure por arquivos com nome dbifx ou dbora dentro do diretório /etc/rc.d/init.d . Se não existir crie o seu.
Existem várias formas de informar que instâncias você deseja que sejam iniciadas automáticamente. Abaixo um exemplo de um trecho em Informix e Oracle:
INFOMRIX:
#!/bin/ksh
start() {
LOGFILE=/opt/informix/log/startupdb.log
echo "`date`: iniciando banco informix">>$LOGFILE 2>&1
for i in `ls -1 /opt/informix/etc/onconfig.*
cut -d. -f2
grep -v std `
do
ONCONFIG=onconfig.$i export ONCONFIG;
INFORMIXSERVER=$i; export INFORMIXSERVER;
export INFORMIXDIR=/opt/informix
$INFORMIXDIR/bin/oninit>/dev/null 2>&1
STATUS=`$INFORMIXDIR/bin/onstat -
cut -c 1-48`
if [ "$STATUS@" = "shared memory not initialized for INFORMIXSERVER@" ]; then
echo -e "Informix " $i "\t" OFFLINE>>$LOGFILE 2>&1
else
echo -e "Informix 10" $i "\t" `$INFORMIXDIR/bin/onstat -
awk -F "--" '{ print $2,$4,$3 }'`>>$LOGFILE 2>&1
fi
done
}

ORACLE:
# Set this to bring up Oracle Net Listener
ORACLE_HOME_LISTNER=/u01/app/oracle/product/10.2.0/db_1
if [ ! $ORACLE_HOME_LISTNER ] ; then
echo "ORACLE_HOME_LISTNER is not SET, unable to auto-start Oracle Net Listener"
else
LOG=$ORACLE_HOME_LISTNER/listener.log

# Start Oracle Net Listener
if [ -f $ORACLE_HOME_LISTNER/bin/tnslsnr ] ; then
echo "$0: Starting Oracle Net Listener" >> $LOG 2>&1
$ORACLE_HOME_LISTNER/bin/lsnrctl start >> $LOG 2>&1 &
export VER10LIST=`$ORACLE_HOME_LISTNER/bin/lsnrctl version
grep "LSNRCTL for "
cut -d' ' -f5
cut -d'.' -f1`
else
echo "Failed to auto-start Oracle Net Listene using $ORACLE_HOME_LISTNER/bin/tnslsnr"
fi
fi

# Set this in accordance with the platform
ORATAB=/etc/oratab
if [ ! $ORATAB ] ; then
echo "Set ORATAB to dir where oratab file is located"
exit 1;
fi


startinst() {
# Called programs use same database ID
export ORACLE_SID

# Put $ORACLE_HOME/bin into PATH and export.
PATH=$ORACLE_HOME/bin:/bin:/usr/bin:/etc ; export PATH
# add for bug # 652997
LD_LIBRARY_PATH=${SAVE_LLP}:${ORACLE_HOME}/lib ; export LD_LIBRARY_PATH
PFILE=${ORACLE_HOME}/dbs/init${ORACLE_SID}.ora
SPFILE=${ORACLE_HOME}/dbs/spfile${ORACLE_SID}.ora
SPFILE1=${ORACLE_HOME}/dbs/spfile.ora

echo ""
echo "$0: Starting up database \"$ORACLE_SID\""
date
echo ""

if [ -f $SPFILE -o -f $SPFILE1 -o -f $PFILE ] ; then
sqldba command=startup ;
$SQLDBA << font="">
connect / as sysdba
startup
quit
EOF
;

This weekend we had some energy down at the company and the time was great than the time that the No Breakers could support. Consequence: our servers went down. But the best of all was that in the week before we turned off the automatic startup of the databases, for a performance and memory utilization test. So, I had to connect there to bring up the main instances online.
Normally, on LINUX, the initialization script for the databases that you want to startup automatically stays at the /etc/rc.d/init.d directory. There you'll find files as the dbifx and dbora, which normally keeps the scripts for the instances that you want to automatically startup when the server is turned on. The files content and places can be different depending on the Linux version or Operational System, but we keep the default scope. Search for files with the name of "dbifx" or "dbora" inside the /etc/rc.d/init.d directory. If it doesn't exist, create your own!
There are a lot of syntaxes to inform the bases that you want to startup automatically. Above there's a part of this script to Informix and Oracle databases.

sábado, 9 de janeiro de 2010

E o ponte que partiu...

Perdoem a falta de posts, mas esse início de ano está sendo bem atarefado para mim... Sinceramente eu não recordo de, antes de dois ou três anos pra cá, algumas regiões serem tão castigadas pelas chuvas nos meses de Dezembro / Janeiro. Verão, praias, calor... Chuva, raios, tempestades, inundações, deslizamentos de terra, pontes arrastadas pelos rios, etc. Para muita gente o ano começou tragicamente.
Em Angra, no Rio de Janeiro, uma avalanche de lama e barro soterrou casas matando mais de 40 pessoas em plena passagem de ano. No rio Grande do Sul uma ponte foi simplesmente arrastada pela água levando junto 20 pessoas que estavam sobre ela, incluíndo o Vice-Prefeito de Agudo, uma das cidades que a ponte conectava. Ele estava sobre a ponte no momento do acidente para analisar os estragos da enchente.
Imagino Recife recebendo uma temporada de chuva assim. Uma cidade cortada por rios. A Veneza brasileira. Se apenas um dia de chuva já consegue transformar maior parte das ruas em rios, a ponte Duarte Coelho e todas as outras seriam arrastadas pelo Rio Capibaribe. O Centro do Recife ficaria isolado, ilhado. O canal da Agamenom e a avenida seriam uma coisa só. Coisa linda...
É o aquecimento global provocando aos poucos todas essas alterações climáticas. Por via das dúvidas acho que vou comprar um hoovercraft para o ano que vem... E abrir uma empresa de Ferries para transportar o povo pelas ruas!



Forgive me for the time without posts, but this beginning of the year has been being very full of tasks for me... Honestly I can't remember, about two or three years ago, some regions being so castigated by the rain at December/January. Summer, beaches, hot... And rain, storms, light bolts, floods, landslides, bridges dragged by the river, etc. For many people this year began tragically.
At Angra, Rio de Janeiro, a landslide with earth, trees and clay, covered houses killing more than 40 people on the New Year's party. At Rio Grande do Sul a bridge was simple carried by the river, taking with more than 20 people that were over the bridge at the moment, including the vice mayor of the city of Agudo, one of the cities which the bridge used to connect. He was over the bridge analyzing the damage of the flood at the moment.
I imagine Recife receiving such rain season. A city that has rivers everywhere. The Brazilian Veneza. If just one raining day can turn most of the city streets in rivers, probably the Duarte Coelho Bridge, and the others, would be drag by the Capibaribe River. The downtown would be isolated and islanded. The Agamenom Chanel and the avenue would turn into an unique thing. Beautiful thing...
It's the Global Warming little by little changing the weather. Anyway I'm thinking in buy a hovercraft next year and open a ferry business to transport people over the streets!

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Ship Simulators - É o que há de aventura!

Baixei um jogo que é só emoção: Um simulador de embarcações! Você poderá vivenciar toda a aventura de manobrar um navio pelo agitado porto do Recife! Empilhar e desempilhar contêineres em um cargueiro! Conduzir um veleiro por meses através do Atlântico olhando apenas mar e céu! Sinta-se como um verdadeiro capitão de fragata navegando pelo mar do Rio de Janeiro correndo o perigo iminente de chocar-se contra um boto!

Já havia visto simuladores de muitas coisas, mas não imaginei que existiria um de navios e embarcações. Procurei e para minha surpresa lá estava: Ship Simulator 2008 (faltou apenas o Tabajara)! Desculpem-me os marinheiros entusiastas, mas não vejo muita adrenalina em ancorar um navio no porto ou conduzir um ferry até o outro lado de um canal.
Espero que existam missões como conduzir o pesqueiro de Mar em Fúria no meio da tempestade ou atravessar o Mar Adriático em uma Drakka sob forte neblina usando apenas uma Pedra do Sol como guia.



I downloaded a game that's totally extreme: A ship simulator! You'll live the adventure of drive a ship through the hectic Recife harbor! Stack and unstack containers into a cargo ship! Drive a sailing boat through months against the Atlantic watching only sea and sky! Feel yourself like a real war ship captain sailing through the Rio de Janeiro coast facing the imminent dangerous of a dolphin collision!
Well... I already had saw a lot of kind of simulators, but never imagined to find a ship one. I looked for one and for my surprise I found it: Ship Simulator 2008! Excuse me the enthusiastic sailors, but I can't find too much emotion into anchor a ship on a harbor or drive a ferry across some sea canal.
I hope that there exists missions like driving The Perfect Storm fisher boat into the storm or across the Adriatic Sea into a Viking Drakkar under the fog using a SunStone to guide yourself =P
Locations of visitors to this page
Côcos pelo Mundo