segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Mercenários do Mercado

Empregos são como relacionamentos. Em fato, o seu emprego nada mais é do que o seu relacionamento com a empresa para qual você trabalha.

Recentemente li uma matéria a respeito de motivação profissional. O que realmente importa para um funcionário afim que ele fique motivado e satisfeito com seu atual local de trabalho. Nessa mesma reportagem li diversos comentários de pessoas criticando e dizendo que o que realmente importa é quanto estão te pagando. Pessoas que até dizem que por 1% a mais iria para outra empresa.
Se sua motivação para permanecer em uma empresa é apenas o salário que ela te paga, na verdade você não está, nem estará nunca satisfeito com seu trabalho em qualquer empresa que esteja. Recomendo inclusive que procure outro tipo de trabalho, porque salário nunca foi um dos principais fatores para satisfação pessoal.
Segundo W. E. Thomaz são quatro os fatores fundamentais para a realização humana: Desejo de novidade, o desejo de segurança, o desejo de consideração e o desejo de correspondência. Trabalhos rotineiros, por mais bem pagos que sejam, não gera satisfação pessoal alguma. A necessidade de novidade então não é atendida. Acrescento ainda que o ideal é que um recurso não seja alocado em um projeto por mais de seis meses consecutivos, o que já considero um tempo até razoavelmente longo.
Não creio que um empregado sinta-se feliz também em uma empresa, cujo ele foi trabalhar por 1% a mais do que lhe pagavam, mas que por conta de estar perdendo sua carteira de clientes começa a demitir algumas pessoas. Todo mês ele tem aquela espectativa se será o próximo. Ou então de ver que os negócios estão sem rumo e que a empresa pode afundar junto. Não é a toa que diversas pessoas procuram o setor público fazendo concursos. Nem sempre pelo salário, mas também pela segurança de um emprego estável.
A questão da consideração e da correspondência são bem semelhantes. Normalmente as pessoas gostam de ter seu trabalho reconhecido. De se sentirem parte de uma equipe e da empresa. Afinal, um bom profissional executa suas tarefas da melhor forma possível para agradar quem solicitou. Seja o cliente, um colega ou seu chefe. Tudo bem que elogios não compram leite para as crianças, mas tão pouco não há satisfação em nunca receber um elogio nem ser evidenciado em uma reunião, mesmo recebendo recompensa financeira.
Se você é do tipo que está satisfeito apenas se estiver sendo reconhecido financeiramente, então também não possui valor moral nem ético. Basta alguém pagar mais para colocar tudo isso de lado. Desculpe-me mas é o tipo de profissional que eu não gostaria de ter em minha empresa, nem mesmo como colega. Não é por nada, apenas não confio nesse tipo de gente. Você confiaria?




Your job is like a relationship. In fact, your job is nothing else then the relationship between you and the company which you work for.

Recently I read an article about employees motivation. What really matters to a employee to keep him motivated about his actual work place. In this same article I read a lot of comments on people criticizing, saying that what really matters is how much they're paying. Even some of them saying that for 1% more in their payment they would go to another company.
If your motivation to stay in some company is how much it pays you, in fact you aren't, and will never be, motivated and happy with your job at any company where you would work. I even recommend you to search another kind of job, because in my point of view salary wasn't one of main factors of selfish satisfaction.
According to W. E. Thomaz there are four the fundamental needs to the human realization: the needing for new, the needing for security, the needing for consideration and the needing for correspondence. Repetitive jobs, for more that they pay you well, don't bring selfish satisfaction. The needing for new isn't achieved. I even add that the ideal time for a employee to be allocated in some project doesn't overall six months continuous, what I already consider a reasonable amount of time.
I also don't believe that an employee may be happy working on a place, that which he gone for 1% more of payment, but because is loosing its clients start to dismiss some of the employees. Evey month comes that expectation about "Am I be the next?". Or even for can't see the goals of the company, noticing a kind of lostness which the company may be lost together. The security for a stable job is much better then your 1% more on the payment in this case. That's why some people look for public companies. At least here is a synonym of stable job.
The issue of consideration and correspondence are very similar. Normally people like to have their work recognized. They like to feel as a part of a team, of the company, and to have done something important to your company. At least the good employee does his tasks the best as he can to attend the requester. It can be a client, a partner or his boss. That's ok that "accomplishments" don't feed the children, but neither money rewards if you don't receive an accomplishment, or is being relevant in some meeting.
I guess that if you are the kind that is satisfied only on a financial rewards, also don't have a moral or ethic value. It's just some pay you a little more to put beside your moral and ethic. I'm sorry but that's the kind of employee which I wouldn't like to have on my company, even as a work partner. No big deal, I just don't trust this kind of person. Would you?

domingo, 25 de dezembro de 2011

Kyros

Aproximadamente seis meses de ausência. Algumas coisas estive postando no outro blog, o [Eu do Meu Lado Aprendendo a Ser Tolo], mas mesmo nele acabei dando uma pausa bastante longa. Então vamos tentar retomar a coisa de onde paramos. Nesse período de ausência eu comprei um Tablet meio que genérico. Gastei uns R$379 em um Coby Kyros Mid 7015, com tela touchscreen de 7”, sistema Android 2.1 e 4 GB de memória. Após um tempo fui ver que comprei o produto até que relativamente caro, pois encontrei o mesmo por até R$250.
Um iPad 2 está custando em torno de R$1.650. Dá pra comprar pelo menos 4 Coby's pelo preço de um iPad. Ou seja, você pode perder 3 deles e ainda não vai chegar ao valor do iPad. Basicamente não deixa a desejar em relação ao iPad, senão por duas coisas: o touchscreen dele é meio "teimoso" alguns momentos e a tela de 10" - Achei que não faria diferença, mas faz uma grande diferença mesmo, principalmente para ler eBooks. Por outro lado se eu for assaltado e levarem meu Kyros, não corro o risco de esboçar alguma reação inconsequente ou ficar deprimido pelo dinheiro investido.
Então até o momento ele vem atendendo o seu objetivo de me entreter na viajem de volta do trabalho para casa, que dura cerca de 50 minutos a uma hora geralmente... E de manter o preço dos concorrentes em um patamar não muito elevado!




Has been almost six months since my last post. Sometimes I have been posting on my other blog: [Me by my side learning to be fool], but even there I did a very long break. So let's return from where I stopped. On this break time I bought a Tablet, made in china kind. I spent about $125 on a Coby Kyros Mid 7015, 7" screen, Android 2.1 operational system and 4GB of memory. But only after my purchase I noticed that I would pay something less, because I had found it for $70.
The iPad 2 is priced around $500. You can buy at least 4 Cobies for the cost of one iPad. That means that you can lose 3 of them and still don't get to the price of an iPad. Basically the Coby is not so bad comparing to iPad, but for two things: Its touchscreen is a little stubborn sometimes and the 10" screen - I thought that it wouldn't make difference, but it does, mainly when you want to read eBooks. By the other hand if I get mugged and have my Kyros stole, I will not take risks to do an inconsequent reaction or being depressive because of the money I lost.
So until now my Kyros has been doing a great job entertaining me the way back home, that is about 50 minutes to one hour traveling... And preventing competitors from rising their prices!
Locations of visitors to this page
Côcos pelo Mundo