domingo, 21 de junho de 2009

O Fantasma do Toco do Pé de Saputi


No colégio onde estudei existia um lugar bastante peculiar. Era um espaço com muitas árvores, muito parecido com um sítio. Tanto que o apelido do lugar era "Sítio da
Véia". Os nossos professores e os padres (era um colégio católico) sempre contavam diversas estórias mal-assombradas sobre o local. Certamente para evitar que os trelosos garotos estivessem por lá gazeando aula, roubando sapoti ou em horário impróprio (a noite).
Uma das estórias era sobre um velho pé de sapoti que existia por lá e um padre que havia enforcado-se nele, há uns 40 anos atrás. Como a velha árvore corria risco de
cair, ela foi cortada restando então apenas o seu toco.
Contava a estória que depois que a árvore foi cortada, toda a noite podia-se ver o espírito do padre sentado no velho toco da árvore. E esse toco, desde então, não
conseguia-se remover, por mais que tentassem.
Um dia largamos mais tarde do treino de judô e o portão principal já estava fechado. O único caminho era atravessando o sítio onde o toco ainda permanecia. Não sei porque, mas as coisas parecem ficar bem mais sinistras do que parecem quando você está impressionado. Nunca 100 metros pareceram tão distante. Baixei a cabeça e caminhei com passos firmes e decididos, sem olhar pra o que quer que fosse. Ao passar pelo toco ouvi:
- Ei!
Um frio gélido percorreu minhas costas. Apesar de você saber que não deve olhar, alguma coisa infeliz sempre faz com que você olhe. Olhei e não vi nada lá. - "Foi só
impressão" - pensei. E continuei meu percurso infinito até o outro lado do sítio.
No outro dia, levado por uma curiosidade mórbida ou atração macabra, fui até o toco. Ele estava coberto de poeira exceto por uma formação bastante definida. Uma forma
delineando as pernas de alguém que esteve sentado todo o tempo naquele local.

**********************************************
**********************************************

At the school where I had studied there was a place such distinct. A place with many trees, very likely with a little wood. They called this place as "Old Woman Wood".
Our teachers and priests (it was a cleric school) always told us many haunted stories about that place. Certainly to avoid that trick kids were there to truant classes, steal "Sapotis" - fruit Manilkara achras - or being in an inappropriate time (at night).
One of those histories was about an old Sapoti tree where a priest had hang on it, about 40 years ago. As the old tree was about to fall down, it was cut leaving just its snag.
Tells the history that after that tree had been cut, every night the priest spirit could be seeing, sit on the old snag tree. And since that, nobody could take this snag off, for more people try it.
One specific day we went out very late from the Judo class and the main gate was already closed. The only way was to pass through the wood where the snag was on. I don't know why, but things seem to become much more creep when we're already scared. I never walked a so long 100 meters. I laid down my head, walk straight, without look for anything or anywhere. But when I was passing by the snag e heard:
- Hey...
O cold took my back. Even you knowing that you must not look, something spoiled always makes you look :/
I look and saw nothing. - "It was just my mind" - I thought. And kept my way to the other side of the little wood. In the next morning, took by some morbid curiosity, I
went back to the tree snag. It was covered by dust, excepted for one singular form strong designed. A form which drew the legs of someone (or something) that was set all the night on that place...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Locations of visitors to this page
Côcos pelo Mundo